Resenha #68 - Misery (Stephen King)

| |


Título original: Misery
Editora: Suma de Letras
Ano: 2014
Tradução: Elton Mesquita
Páginas: 326



































Paul Sheldon é um famoso escritor reconhecido pela série de best-sellers protagonizados por Misery Chastain. No dia em que termina de escrever um novo manuscrito, decide sair para comemorar, apesar da forte nevasca. Após derrapar e sofrer um grave acidente de carro, Paul é resgatado pela enfermeira aposentada Annie Wilkes, que surge em seu caminho. 

A simpática senhora é também uma leitora voraz que se autointitula a fã número um do autor. No entanto, o desfecho do último livro com a personagem Misery desperta na enfermeira seu lado mais sádico e psicótico. Profundamente abalada, Annie o isola em um quarto e inicia uma série de torturas e ameaças, que só chegará ao fim quando ele reescrever a narrativa com o final que ela considera apropriado. Ferido e debilitado, Paul Sheldon terá que usar toda a criatividade para salvar a própria vida e, talvez, escapar deste pesadelo. 







Essa resenha deveria ter saído em outubro, mas só consegui terminar a leitura em novembro. Então trago agora a resenha para vocês. 

Não vou entrar muito em detalhes sobre o enredo, pois acredito que a sinopse esteja bastante completa. Então, se já leu imagine aquele seu autor favorito, daqueles que você lê até sua lista de supermercado. Imaginou? Entretanto, você não gostou do rumo que o último livro dele tomou, daquela série super amada por você e que estava cheio de expectativas. (Veronica Roth em Convergente) O que você faria se tivesse a oportunidade de encontrar esse autor? O faria escrever um novo livro? Ameaçaria sua vida para escrever um livro que você gostasse mais dos acontecimentos? Foi bem isso que Annie Wilkes fez quando viu a oportunidade de confrontar seu autor preferido, salvar sua vida e leva-lo para sua casa.

Esse é o segundo livro que leio do Stephen King, e sem dúvida, foi o meu preferido. A narrativa em terceira pessoa, mas sempre sob o ponto de vista do Paul, é fluída e envolvente. E por mais que seja terror, não é daquele tipo que dá medo, mas do tipo que choca e enoja pelas crueldades cometidas e te faz ficar horrorizado porque pode existir pessoas assim no mundo real, é mais um estilo de terror psicológico. Sei que não é todo mundo que gosta de livros assim, mas recomendo bastante, principalmente para aqueles que gostaram de Dias Perfeitos do Raphael Montes, pois vejo algumas similaridades nos dois enredos. 

Stephen King conseguiu criar personagens tão complexos e bem construídos. Consegui sentir a aflição do Paul a cada linha, a sua vontade de viver, a dor que ele sentia, e como pouco a pouco ele foi se envolvendo com a escrita do novo livro de Misery e como isso foi o fortalecendo, livrando-o um pouco de se afogar no horror que ele estava vivendo. O interessante é que ele odeia a sua personagem Misery, mas conhece a força e a importância que ela tem. Achei Paul corajoso, ele sofreu as maiores atrocidades e teve todos os motivos para desistir, mas permaneceu lutando pela sua sobrevivência.


Já Annie Wilkes se tornou uma das minhas vilãs preferidas. Consegui sentir uma identificação com ela, não pelo seu lado psicótico, mas devido a sua relação com os livros, às histórias e como isso faz parte da sua vida. Ela é extremamente inteligente, sempre um passo à frente, e disposta a cometer qualquer coisa para ter o que deseja. E do seu próprio jeito, ela é hilária. Ao longo da história conhecemos ela melhor e entendemos como ela tornou-se essa mulher instável e perigosa. Stephen King consegue desvendar totalmente o lado psicológico dos personagens, e acho que talvez por isso eu não tenha odiado  tanto a Annie e o que ela fez o Paul passar.


"Depressivos se matam. Psicóticos, acalentados no berço venenoso de seus egos, querem fazer um favor aos outros, levando-os juntos."

O livro não tem muita ação, grande parte da história é passada no quarto de Paul na casa de Annie, uma vez que ele está confinado lá dentro, e o diálogo se limita aos dois, fora alguns poucos flashbacks, mas isso não torna a leitura entediante. A vontade de saber o que irá acontecer com os personagens é enorme, e não tive vontade de largar o livro. Há algumas cenas bastante fortes, daquele tipo que a gente precisa fechar um pouco o livro para poder digerir. A única coisa que me incomodou um pouco na leitura foi que me senti um pouco perdida em relação a algumas referências, não entendia exatamente algumas metáforas que Paul utilizava. 

Também podemos acompanhar a história que Paul está escrevendo, e me vi tão curiosa a respeito do que iria acontecer com o Paul e Annie, quanto com Misery. E nessa parte da história, é bem legal perceber a mudança na fonte utilizada, as letras faltando da máquina de escrever. O livro trata bastante essa relação de leitores com os livros e os personagens, o quanto um personagem pode se tornar real para nós.

O livro é dividido em quatro partes, cada uma focando em um personagem da história. Até a própria Misery tem uma parte só dela. A narrativa fluída e os capítulos curtos fazem ser uma história tranquila de ser lida, apesar das cenas fortes que contém. A diagramação está simples, mas cuidadosa e a revisão está muito boa. 

Misery é um livro de terror sim, mas que aborda muito mais o lado psicológico dos personagens. Até onde podemos ir por alguma coisa que desejamos? O quanto a loucura e a realidade podem conviver lado a lado?. Será que Paul será encontrado? Será que sairá vivo? O que acontecerá com Annie? Ele termina de escrever Misery? E o que Annie achará desse novo livro? Essas são apenas algumas das perguntas que eu me fiz ao ler esse livro, e o final é totalmente surpreendente.





21 comentários:

  1. Já vi muito desse livro por aí e ele chama muito a minha atenção por sua proposta. Misery parece um belo terror psicológico, com personagens aos quais não conseguimos permanecer indiferentes, nutrindo por eles seja simpatia ou asco, dependendo do leitor.
    Paul e a situação em que se mete de cara me deixou curiosa. Imagino como deve ter sido para ele passar por tantas atrocidades e ainda ter esperança de sair vivo.
    Annie parece uma psicopata curiosa, é estranho como certos autores conseguem fazer que certos vilões despertam certa admiração nossa. Acho que se tratando do amor pelos livros e personagens, podemos nos identificar com ela, mas sorte a nossa ser um amor saudável. Me pergunto os motivos que a levaram a ser assim.
    Aliás, achei interessante a divisão do livro e ver que a própria Misery tem uma parte em que ela é o foco. Sem dúvidas pretendo ler a obra, não sei quando conseguirei, mas espero ser fisgada pela obra.
    Abraços

    ResponderExcluir
  2. OI, Rafa. Como eu não ouvi nenhum comentário sobre esse livro e filme antes? Estou perplexo com esta estória de horror e suspense. O Rei do Terror cativando seus leitores cada vez mais, estou bem curioso para descobrir como ele consegue focar a narrativa em apenas dois personagens, e o melhor um autor e um fã, ainda unindo com uma leitura rápida. Quero de imediato!

    ResponderExcluir
  3. Oi Rafa, eu vi ao filme bem antigo por sinal, mas o livro ainda não tive a oportunidade de ler, mas quero muito iniciar minha viagem nos livros no tio Stephen, é um autor que divide opiniões, mas ele tem uma forma peculiar de instigar a leitura. Amei sua resenha. Bjkas

    ResponderExcluir
  4. Aiiiiiii, como amo terror psicológico!
    Acho que essa foi a primeira resenha de Misery que li, e achei bem interessante.
    Já tive vontade de torturar/matar alguns autores por causa do rumo que suas histórias tomaram hahahah
    Só li um livro do King até hoje (O cemitério), mas tenho muito interesse em ler outros. Entrou pra lista dos "preciso ler"
    Beijos!

    ResponderExcluir
  5. Oiee!!
    Nunca li nada do King =/
    Mas com certeza é uma das minhas metas, todas as resenhas que leio dizem que a escrita dele é demais!!
    Gosto quando os autores abordam o lado psicológico dos personagens, que tem uma área muito abrangente a ser explorada!!
    O lado mal então nem se fale!!
    Beijos

    ResponderExcluir
  6. Esse é um dos vários livros do King que estão na minha lista de "vou ler"...o livro é bom, nem tem o que falar, os livros do cara são todos ótimos.
    Esse terror psicológico que ele consegue passar é inexplicável...rs
    Enfim, acho que vou botar ele como minha próxima leitura, estava entre ele e Joyland...mas acho que será ele mesmo.

    ResponderExcluir
  7. Oi Rafa, eu não sou fã de livro de terror mas tenho que admitir estou lendo cada resenha dos livros da Stephen King em outros blogs que estou começando a me interessar e com a sua então fiquei mais interessada ainda bjs.

    ResponderExcluir
  8. Nossa que livro louco!
    Nunca li nada dele, mas só pela sinopse pude notar um livro que não deixa respirar enquanto está lendo. Essa Annie é louca, confesso que já tive minhas fazes de fã louco, mas já me curei kk

    ResponderExcluir
  9. Oi Rafa!
    Acredita que até hoje não li Stephen King?
    Tenho certeza que vou amar pois é o estilo de livro que amooo!
    Estou com escuridão total aqui p ler, mas adorei a premissa deste!
    Fiquei mais empolgada qd li q dos dois q vc leu este é o melhor... já quero!
    Bjos
    Aline Praça
    www.leituravipblog.com

    ResponderExcluir
  10. Acho que todos os livros do autor abordam mais o lado psicológico e é isso que faz ser tão bom .
    Não li esse livro ainda ,mas espero ler em breve.

    ResponderExcluir
  11. quero muito ler mais livros do Stephen king e esse é um deles, o único que li do autor foi Joyland, mas esse tava mais para comédia do que terror.

    ResponderExcluir
  12. WOW que mulher crazy
    Se eu não me engano já vi filmes com personagens fanáticas, mas por esse ser do Stephen King me deixou com vontade de ler para ver o desfecho.

    ResponderExcluir
  13. Eu sou louca por esse livro.
    Amo, amo, amo de paixão Stephen King (na verdade, sou uma apaixonada por terror e suspense) e sempre que leio resenhas sobre esse livro fico babando.

    ResponderExcluir
  14. Rafa que resenha instigante, fiquei mega curiosa. Confesso que não sou muito fã de histórias que tem torturas físicas e psicológicas, mas como é do mestre King fiquei curiosa. Só li Carrie, A estranha dele e gostei pretendo em 2016 investir em alguns títulos dele e após ler sua resenha fiquei tentava a acrescentar esse livro a lista. Adoro a capa!!!
    Enfim foi ótimo acompanhar sua opinião e suas observações e questionamentos que só me deixaram interessadas na leitura. Parabéns!!!

    Leituras, vida e paixões!!!

    ResponderExcluir
  15. Tenho muita vontade de conhecer as obras de Stephen King, mas até agora me falta coragem rsrsrs Sou bem medrosa, então não me arriscava em histórias desse gênero. Só que quero sair um pouco da minha zona de conforto e me aventurar em coisas que nunca li ou leio raramente. Pretendo ler Misery, graças a sua resenha. Já tinha ouvido falar do livro, mas não sabia nada a respeito. A sinopse realmente me interessou e você pontuou aspectos bem importantes que reforçaram a minha curiosidade. Como gosto bastante de personagens bem construídos e repletos de camadas, acho mesmo que devo ao menos tentar ler.

    ResponderExcluir
  16. Oie
    Esse é um livro do King que eu tenho muita vontade de ler.Esse jeito dele retratar as características psicólogicas de seus personagens é incrível.E eu nem li e já estou me perguntando o que vai acontecer com o Paul e se ele vai ser encontrado ou não.E espero que as cenas mais fortes não me surpreendam muito.

    ResponderExcluir
  17. Oi Rafa,
    Os livros do King são muito elogiados, MAS eu não gosto nenhum pouquinho do gênero O.o sei que existem pessoas ruins, mas sinto muito medo haha.
    Beijocas ^^

    ResponderExcluir
  18. Rafa!
    Já li Misery e confesse que não é um dos livros favoritos do autor.
    Acho Annie Wilkes uma tremenda psicopata e não gosto dela, é má por demais.
    Ainda assim é um bom livro e o filme é fiel a ele.
    “Num filme o que importa não é a realidade, mas o que dela possa extrair a imaginação.” (Charles Chaplin)
    cheirinhos
    Rudy
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  19. Se lembra Dias Perfeitos com certeza vou querer ler, rs... Ainda não tive oportunidade de ler nada do autor, mas sempre leio elogios maravilhosas sobre suas obras e isso me deixa bem curiosa. Que bom que o livro não é aquele tipo de terror que dá medo, e sim terror psicológico. Já estou anotando a dica.

    Bjs, Glaucia.
    www.maisquelivros.com

    ResponderExcluir
  20. Oie, tudo bom?
    Ainda não tive a oportunidade de ler King, mas quero começar como um livro como esse. Gosto dessa pegada que vai do terror ao psicológico. Outra coisa que gostei foram as visões diferentes através dos personagens.
    Beijos,
    http://livrosyviagens.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  21. Oi,tudo bem? Eu quero ler este livro, mas estava com receio. Agora após ler a resenha vi que este livro não é bem o que eu imaginava, pois pensei que era só terror e estava com medo disto,mas agora que sei que não é somente isto fiquei ainda mais interessada.

    Beijos.

    http://livrosleituraseafins.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...