Resenha #43 - A Estrela Que Nunca Vai Se Apagar (Esther, Lori e Wayne Earl)

| |

Título original: This Star Won't Go Out
Editora: Intrínseca
Ano: 2014
Tradução: Regiane Winarski; Edmundo Barreiros, Maria de Lourdes Sette
Páginas: 448



A Estrela Que Nunca Vai Se Apagar conta a história de Esther Grace Earl, diagnosticada com câncer da tireoide aos 12 anos. A obra é uma espécie de diário da jovem, com ilustrações, fotos de seu arquivo pessoal, textos publicados na internet, bate-papos com os inúmeros amigos que fez on-line e reproduções de cartas escritas em datas comemorativas como aniversários. A jovem perdeu a batalha contra a doença, mas deixou um legado de otimismo e celebração ao amor. Atualmente sua mãe, Lori Earl, preside a instituição sem fins lucrativos This Star Won´t Go Out (tswgo.org), que apoia pacientes e famílias que lutam contra o câncer.



Para quem não sabe, Esther Earl foi a adolescente que inspirou John Green a escrever "A Culpa é das Estrelas", mas como o próprio autor diz, aquele livro não é sobre ela, não é nem baseado na vida dela. A Estrela Que Nunca Vai Se Apagar, sim, é sobre a vida dessa menina encantadora.

Esther Grace Earl foi diagnosticada com câncer de tireoide aos 12 anos de idade, e até os 16 ela lutou da melhor forma que pode contra a doença. Sem nunca desistir, continuou sendo a menina que sempre fez o bem para as outras pessoas. Acho que isso que foi o que mais me emocionou durante a história, mesmo ela estando cansada e cada vez mais fraca por causa do câncer, ela nunca se queixou ou se sentiu injustiçada, sempre enfrentou a batalha de frente e de cabeça erguida. Esse livro é acima de tudo uma lição de amor, pois Esther foi uma menina que amou profundamente e foi muito amada por seus pais, irmãos, amigos, familiares e muitas pessoas que acompanharam sua situação pelo mundo a fora.

O livro é um compilado de cartas, desenhos, bilhetes, passagens de diário, fotos, letras de música e muito mais. Algumas partes são escritos da própria Esther, mas há também textos feitos pelo seu pai e sua mãe, assim como por médicos que trataram da sua doença e amigos. A introdução do livro é feita pelo autor John Green a quem Esther conheceu em uma convenção de Harry Potter e de quem se tornou grande amiga.


Não vou me estender muito com essa resenha, pois como é um livro de memórias, ele irá nos contar toda a trajetória da vida de Esther e a sua luta diária contra a doença, portanto, o que eu acho mais importante é compartilhar com vocês como me senti com a leitura desse livro.

Meu sentimento ao ler foi que eu estava lendo seu próprio diário suas cartas, não a reprodução em um livro. Me senti tão próxima a Esther que parecia que ela estava falando comigo e acima de tudo, eu senti muita vontade de tê-la conhecido. Ter aprendido com ela, ver sua força de vontade e sua capacidade de amar e querer o bem para todos. Enfim, eu queria ter sido uma amiga dela, e me senti dessa forma ao ler o livro. E ao acompanhar seu canal no Youtube (aqui) durantes algumas partes da leitura, eu me senti ainda mais próxima a ela. Em todas as passagens dos seus amigos eles falam  como ela sempre foi uma pessoa querida e sincera, sempre disposta a ouvir e dar conselhos, e a acreditar na capacidade de qualquer um. Ela não achava que deveria ter privilégios porque era uma criança doente, mas a forma dela de agir transformou a vida de muita gente. Só lendo para entender a profundidade dessa história.

"Apenas seja feliz, e, se você não conseguir ficar feliz, faça coisas que o deixem feliz. Ou fique sem fazer nada com as pessoas que o fazem feliz." (-Esther Earl)

Após a sua morte em 2012, sua família fundou a instituição This Star Won't Go Out que apoia pacientes e familiares que lutam contra o câncer. Dessa forma, o legado de Esther nunca se apagará e ela continuará dando forças a muitas pessoas para enfrentar essa doença.


A Estrela Que Nunca Vai Se Apagar é um livro que merece e deve ser lido por todos. Mesmo que não goste de biografia, ou não queira saber da vida de uma garota com câncer. Essa história é mais do que é isso, é uma verdadeira lição de amor, amizade e bondade. Se você for fã de John Green ou Harry Potter como a Esther era, com certeza vai se identificar em muitas partes e se sentir ainda mais próximo a ela. 

"O que importa é amar os amigos completa e totalmente, o melhor e o pior lado, e amar mais do que apenas as coisas boas. Trata-se de mostrar que você está disposto a aceitá-los pelo que são, que eles não devem se sentir inseguros ou constrangidos na sua presença, o que pode ser uma tarefa difícil. Esther sabia de verdade como fazer alguém, o tempo todo, sentir que ela se preocupava profundamente e também sabia mostrar que ela amava as pessoas, fosse dito ou não." (- Arka Pain)

Para acabar, preciso falar da edição da Intrínseca. O livro está simplesmente perfeito, desde a capa que foi mantida original ao interior do livro, com páginas coloridas, fotos, cartas, desenhos e tudo o mais. Mais perfeito, só se fosse em capa dura #ficaadicaIntríseca ;). Com certeza é um livro para se ter na estante e para poder sempre reler.

Talvez eu não tenha conseguido passar tudo o que senti com a leitura desse livro, mas espero que todos possam se encantar com essa história. 



Essa resenha atende ao:
*2015 Reading Challenge - Tema 26. Um livro de memórias


24 comentários:

  1. Realmente se trata de uma história fascinante. Só não entendi a ligação com Harry Potter. Com o autor de "A Culpa é das Estrelas" é fácil entender. Mas em qual sentido você a vê ligada com a história do bruxinho?
    Abraços!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ela era super fã de Harry Potter, inclusive conheceu John Green em uma convenção sobre Harry Potter, e tem várias menções a isso.

      Excluir
  2. Ola Rafa lindona comprei esse livro para minha filha e ela ainda não terminou a leitura, u estou louca para ler , dei uma folheada e sei que vou gostar de ler a história dessa guerreira. A capa está muito bonita . beijos

    Joyce
    www.livrosencantos.com

    ResponderExcluir
  3. Quando o livro lançou, eu imaginei que seria outro ACEDE (livro que aliás eu não gostei) e como é a primeira resenha que leio dele, gostei de saber que não tem nada a ver.
    É sempre bom quando um livro ter uma personagem forte e nesse caso, mesmo com a doença, Esther me parece ser uma adorável menina, que como você disse, não se sente injustiçada!
    Me parece ser uma grande lição de amor, mas acredito que eu não o leria, porque não curto livros que se baseiam com cartas, diários, etc e também porque acredito que me afetaria muito, pois perdi uma pessoa na família com câncer e acredito que seria uma leitura bem triste pra mim.
    Ótima resenha.

    Abraços,
    Andresa Dias
    http://leiturasefofuras.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Olá!
    Nossa, que resenha maravilhosa. Muito interessante a descrição dos seus sentimentos para com o livro. Curti. Eu realmente não gosto de biografias, mas depois dessa resenha vou abrir uma exceção.
    Parabéns pela resenha.
    Beijos

    Academia Literária DF

    ResponderExcluir
  5. Oi rafa, já tinha ouvido falar do liivro e sabia um pouco sobre o que se tratava, mas não fazia ideia de que ele continha memórias de Esther, deve ser mesmo emocionante conhecer melhor essa garota que pareceu ser tão inspiradora.

    ResponderExcluir
  6. Olá!
    O livro deve mexer com os sentimentos do leitor.
    É muito triste a vermos uma menina nova padecer dessa doença, mas ao mesmo tempo é um incentivo pra não deixar coisas pequenas nos abaterem.
    Adorei a resenha.
    Beijinhos!
    http://eraumavezolivro.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  7. Oi Rafa, tudo bem?

    Esse livro <3. Eu estava na livraria e como aguardava um evento peguei esse livro para ler e quase me acabei de chorar. Na introdução do John eu já chorei muito. Não terminei de ler porque o evento iria começar, mas li umas 100 páginas e pretendo terminar sim. Amei sua resenha, e pelo pouco que li já percebi como a Esther era uma menina maravilhosas e encantadora.

    Beijos
    Leitora sempre

    ResponderExcluir
  8. Oi Rafa!
    A Culpa é das Estrelas foi mesmo um livro super emocionante, mas eu não consegui amar tanto quanto um pessoal que se tornou super fã, portanto a história que inspirou John Green não é um livro que me interessa muito, além de eu não curtir muito livros biográficos ou reais, sou mais da turma da ficção. Parabéns pela resenha, ficou ótima!
    Beijos
    Paradise Books

    ResponderExcluir
  9. Confesso que eu nunca tinha me interessado em saber mais sobre esse livro, apesar de saber que essa é a menina que inspirou John Green a escrever ACEDE. O câncer é uma doença tão devastadora que às vezes é difícil pensar que algo "bonito" possa ser originado disso. Entrei no canal dela e - cara! - que fofura. Chega a dar um sentimento de revolta ao pensar que uma garota tão nova tenha sido acometida por essa maldita doença.
    Resumindo: agora eu quero muito esse livro.

    Beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A Esther era uma graça mesmo. É realmente muito triste mesmo... mas o livro é lindo. E como a gente tem a oportunidade de conhecer mais dela sobre o seu próprio ponto de vista, quando ela morre, parece que foi alguém que era bem próximo a gente. Eu me senti tão triste com a morte dela, como se fosse alguém conhecido.

      Excluir
  10. gente eu sou louca pra ler esse livro, e vc provou tudo que eu achava que seria.
    com certeza é uma leitura muito meiga e retendo ler em breve.
    eu tenho certeza que do jeito q eu sou vou chorar horrores xp
    Seguindo o Coelho Branco

    ResponderExcluir
  11. Oi, Rafa!
    Nossa... que leitura incrível!!!
    Esse livro parece ser uma grande lição de vida para todos.
    Uma menina tão jovem e que teve tanto a ensinar em tão pouco tempo.
    Fiquei encantada com a sua resenha e já adicionei esse livro aos meus desejados.

    Beijinhos!
    Jaque.
    Meus Livros, Meu Mundo.

    ResponderExcluir
  12. Oi Rafinha, sua linda, tudo bem?
    Tem como não se emocionar com esse exemplo de vida? Eu fiquei muito tocada com sua resenha, o que mais me chamou atenção foi saber que ela sempre quis ajudar as pessoas e sempre se manteve positiva sobre tudo o que estava acontecendo a ela. E se parece que estamos conversando com ela enquanto lemos o livro, tenho certeza de que irei chorar muito. Adorei!!!!!
    beijinhos.
    cila.
    http://cantinhoparaleitura.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  13. Ei Rafaella, tudo bem?

    É a primeira resenha que leio desse livro porque na verdade nunca me interessei muito. Li alguns livros do John Green e não virei fã, achei que esse tivesse alguma ligação com os dele porque tinha uma galera falando que Haziel é inspirado na Esther. Mas eu adorei sua resenha e agora vou olhar para esse livro de uma forma completamente diferente.

    Bjin
    Jéssica Brenda
    Mundo B - Paixão, Amor e Outros Vícios

    ResponderExcluir
  14. Oi flor... tudo bem?
    Não penso em ler este livro... não curto muito essas histórias... vi a diagramação em uma livraria e está bem trabalhado e bem fofo... eu acho legal e até admiro as pessoas que leem esses livros, mas infelizmente não rola pra mim... tem que me chamar muito atenção para que eu venha ler... mas o importante foi o significado que ficou pra você... xero!

    ResponderExcluir
  15. Como NÃO se emocionar com esse livro? Ele é lindo demais. E como a Ester era uma menina iluminada, forte e de grande sabedoria. Várias vezes fechei o livro só pra poder respirar. Curti muito a leitura. E o trabalho gráfico da intrínseca, nem se fala.

    beijos
    Kel
    www.porumaboaleitura.com.br

    ResponderExcluir
  16. Oi Rafa, tudo bem?
    O livro é bem diferente e como já sabemos o destino da autora, acredito que sua leitura se torne bem mais comovente e emocionante.
    Eu gostei muito de acede, e pretendo sim, conhecer um pouco da menina que inspirou John Green e sua força diante de toda luta, com certeza é uma história com uma grande lição.

    Beijos.
    Leituras da Paty

    ResponderExcluir
  17. Oi Rafa, quero muito ler esse livro, mas sofri tanto com ACEDE que esperei um tempo antes de fazer essa leitura. Estarei lendo assim que possível.
    Parabéns pela resenha.

    Bjs, Glaucia.
    www.maisquelivros.com

    ResponderExcluir
  18. Olá, tudo bom?
    Li A Culpa é das Estrelas já faz algum tempo, antes mesmo do livro virar "modinha", e adorei, mas acho que hoje em dia eu não gostaria tanto. Quero muito ler esse livro de memórias, me parece que é algo mais real e parece ser bem emocionante! Adorei sua resenha, bem completa! Parabéns pelo blog :) beijo!

    www.resenhandoaarte.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  19. Oi Rafa,

    A história toda é maravilhosa e a sua resenha desperta ainda mais a vontade de ler este livro "diário" pelos ensinamentos que ela nos proporciona, como a positividade e manter a alegria de viver sempre. Achei demais também a família criar uma instituição em memória dela e que ajuda pessoas com câncer.

    Beijos
    Tânia Bueno
    www.facesdaleiturataniabueno.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  20. Olá, Rafa!
    Li esse livro quando ainda era lançamento e ao ler sua resenha e me lembrar das passagens me dá um aperto na garganta. Foi um dos livros mais emocionantes que li. Saber que a história é real é ainda pior. Aquilo aconteceu mesmo. Além dos sentimentos que você descreveu, como se sentir próximo da Esther. Enfim, um livro que todos deveriam ler.
    Abraços

    www.estantejovem.com.br

    ResponderExcluir
  21. Olá, tudo bem?

    Já tinha visto a capa desse livro, mas achava que a temática era outra. Confesso que apesar da mensagem de amor e superação, bem como de exemplo familiar, eu não leria esse livro por motivos de: 1 - ou eu vou abrir a boca de tanto chorar ou 2 - vou acabar me sentindo tão angustiado que não vou conseguir ler mais nada pelo resto do ano. A edição parece ser muito bonita e muito bem trabalhada, parabéns para a editora. Então é dela que o João Verde tirou o sobrenome Grace para sua personagem?

    Abraços,
    Matheus Braga
    Vida de Leitor - http://vidadeleitor.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  22. O que dizer desse livro? É devastador - no bom sentido. Sou sensível à temas como câncer, e tanto A Estrela Que Nunca Vai Se Apagar quanto A Culpa É Das Estrelas me tocam muito. Bela resenha.

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...